MEC: sete faculdades alagoanas estão entre as piores do país

13657021608395

Em recente análise do Ministério da Educação (MEC), sete instituições de ensino superior de Alagoas foram classificadas como insatisfatórias.

Para ser reprovada, uma instituição precisa ficar abaixo da faixa 3 do IGC (Índice Geral de Cursos) que vai de 1 a 5. O índice é o indicador oficial de qualidade do ensino superior no país.

Calculado anualmente, IGC é feito com base na média ponderada dos Conceitos Preliminares de Curso (que levam em conta o rendimento dos alunos no ENADE, infraestrutura e qualidade do corpo docente) e dos conceitos de mestrado e doutorado, ancorados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (Capes).

O índice considera o CPC dos cursos avaliados no ano do cálculo e nos dois anos anteriores. Por isso, a divulgação refere-se aos três anos suficientes para que todas as áreas sejam avaliadas.

Notas 1 e 2 são insuficientes e o mau desempenho acarreta em punições por parte do MEC. Uma das medidas possíveis, por exemplo, é a proibição de novos vestibulares até que a instituições aponte soluções para melhora do desempenho.

Veja a lista com os nomes das seis  piores instituições de ensino avaliadas em Alagoas. Todas receberam a nota 2 do MEC:

Faculdade Raimundo Marinho – Sede em Maceió;

Instituto de Ensino Superior de Alagoas – Faa/Iesa;

Instituto Batista de Ensino Superior de Alagoas – Ibesa;

Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais de Maceió ;

Faculdade Raimundo Marinho de Penedo;

Faculdade de Ensino Regional Alternativa –  Fera (Arapiraca);

Instituto de Ensino Superior Santa Cecília (Arapiraca).

Cada Minuto

(Visited 62 times, 1 visits today)